Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Morango, Batom e Chocolate

by Anna Duarte

14.10.17

Outubro Rosa - Sinais de cancro da mama, como os detectar e como fazer o tratamento.

Olá olá!!!

 

Tudo bem com vocês minhas lindas?!

 

O post de hoje, como já devem ter visto no título, é bastante especial. Hoje venho falar-vos do Outubro Rosa.

outubro-rosa.jpgEste é um movimento criado nos Estados Unidos na década de 90 (e que se espalhou pelo mundo), para sensibilizar a população para um dos cancros mais comuns no sexo feminino, e para o seu diagnóstico e tratamento mais eficazes.

Durante o mês de Outubro, a cor rosa espalha-se por todo o lado, para alertar para esta temática.

 

Neste mês, são também assinaladas 2 datas bastante importantes para esta causa:

 

15 de Outubro: Dia Mundial da Saúde da Mama 

30 de Outubro: Dia Nacional de Luta Contra o Cancro da Mama

 

Em Portugal, este é o cancro que mais atinge as mulheres, e apesar de a taxa de sucesso ter vindo a aumentar, ainda morrem, por ano no nosso país, cerca de 1500 mulheres com a doença.

Apesar de ser mais comum nas mulheres, 1% da população portuguesa com este cancro são homens.

 

Assim sendo, o principal objetivo deste movimento é a sensibilização da população para o rastreio.

 

A Liga Portuguesa contra o Cancro, desenvolve todos os anos inúmeras atividades para cativar o publico e alertar para o cancro da mama. Todos os anos são realizadas palestras, aulas, leilões, vendas de produtos para angariação de fundos, etc.

 

Neste link podem preencher um formulário, que vos conduzirá às actividades que mais vos interessarem, a fim de participarem nesta onda rosa.

 

 

Quais os sinais de alerta do cancro da mama?


- Alteração na mama ou no mamilo, quer no aspecto quer na palpação;

- Nódulo ou espessamento na mama, perto da mama ou na zona da axila;

- Sensibilidade no mamilo;

- Alteração do tamanho ou forma da mama;

- Retracção do mamilo (mamilo virado para dentro da mama);

- Pele da mama, aréola ou mamilo com aspecto escamoso, vermelho ou inchado; pode apresentar saliências ou reentrâncias, de modo a parecer "casca de laranja";

- Secreção ou perda de líquido pelo mamilo.

 

 

Como detectar esses sinais?


- Auto-exame (palpação);

- Mamografia de rastreio ou de diagnóstico;

- Exame clínico da mama.

 

 

Quem pode/deve fazer estes exames?


- Mulheres com 40 ou mais anos de idade, devem fazer uma mamografia anualmente ou de 2 em 2 anos;

- Mulheres com idade inferior a 40, mas que se encontrem num grupo de risco.

 

 

Não sei como fazer a palpação (auto-exame).


Este auto-exame deve ser feito mensalmente, de modo a evitar que o problema (caso ele exista) cresça, e deve ser realizado uma semana depois do final do ciclo menstrual.

É importante salientar que as mamas apresentam, naturalmente, irregularidades e que podem ficar maiores e mais sensíveis em determinadas alturas (antes do ciclo menstrual, menopausa, gravidez, toma de pílulas anticoncepcionais...).

Mas se, ao fazer a palpação, notarem algo de incomum, devem consultar um médico especialista o mais rápido possível. Ele saberá como agir.

 

"Para realizar o auto-exame de forma correcta, deverá colocar-se de pé, em frente a um espelho, com os braços caídos ao longo do corpo. É importante estar relaxada e certificar-se de que pode fazer o auto-exame calmamente, sem interrupções.

 

- Compare as duas mamas, tendo em atenção a forma e o tamanho. Não é invulgar que uma mama seja maior que a outra. Verifique se as mamas apresentam nódulos ou saliências; observe se houve alguma mudança no tamanho ou aspecto das mamas (como sejam a formação de rugas ou pregas, depressões ou descamação da pele). Verifique se os mamilos estão normais (ou, pelo contrário, se estão retraídos ou escondidos). No mamilo, tente detectar a possível presença de nódulos, o aparecimento de algum tipo de secreção ou perda de líquido. Observe as mesmas características mas, agora, com os braços em diferentes posições.

- Levante o braço esquerdo. Examine a mama esquerda com a mão direita, pressionando com a ponta dos dedos. Palpe a mama esquerda, de forma minuciosa e calma. Comece pela extremidade exterior, realizando movimentos circulares. Palpe toda a mama. Examine, também, a área próxima da axila, passando pela clavícula, bem como a zona abaixo da mama.

- Pressione, suavemente, o mamilo e verifique se existe algum tipo de secreção ou perda de líquido.

- Repita os passos 2 e 3 mas, agora, na mama direita.

- Repita os passos 2 e 3 nas duas mamas, deitada. Deve deitar-se de costas, com o braço sobre a cabeça e colocando uma almofada (ou uma toalha dobrada) sob o ombro do lado da mama que vai examinar.

 

Esta posição é favorável a um bom exame da mama.

 

É importante, lembrar que o auto-exame da mama não substitui a mamografia regular de rastreio."

 

Também ajuda bastante, se o exame for realizado durante o banho, pois a água juntamente com o gel de duche facilitam que a mão deslize sobre a mama, ajudando a detectar anomalias.

 

como-fazer-o-autoexame-da-mama_20391_l.jpg

 como-fazer-o-autoexame-da-mama_20392_l.jpg

 

Quais os tratamentos depois de ser detectada com cancro de mama?


Existem inúmeros tratamentos para o cancro da mama, dependendo estes do estado em que o mesmo se encontra e da opinião do médico. É ele quem vai ajudar o paciente na escolha do melhor tratamento a realizar.

 

- Cirurgia (conservadora, em que é removido o cancro, ou mastectomia, em que é removida a mama);

- Radioterapia (utilização de raios altamente energéticos para matar as células cancerígenas, pode ser externa ou interna);

- Quimioterapia (utilização de fármacos para matar as células cancerígenas);

- Terapêutica hormonal (impede que as células cancerígenas "tenham acesso" às hormonas naturais do nosso organismo);

- Terapêuticas dirigidas (identificam alvos nas células cancerígenas ou substâncias normais que ajudam o crescimento das mesmas e atacam esses alvos).

 

 

Existem inúmeros centros de apoio que cuidam deste tema com todo o cuidado que ele merece, como por exemplo a Liga Portuguesa Contra o Cancro, que está sempre disponível para esclarecer qualquer dúvida e para apoiar nos momentos mais difíceis da luta contra esta doença.

 

E pronto minhas lindas, por hoje é só. Espero que tenham gostado do tema de hoje, que nos é tão próximo. 

Não se esqueçam de partilhar nas vossas redes sociais, principalmente durante este Outubro Rosa, para que a informação chegue a todos.

 

Beijoca*

 

 

 

2 comentários

Comentar post

Sobre mim

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D